A face perversa de um país chamado Brasil / Por Sérgio Jones

Mais de 65%, crianças, negras

Estudos e pesquisas feitas apontam uma amostragem perversa que revela ser o Brasil um país sem alma e despojado do mínimo de decência no trato de seu povo, em especial das crianças e adolescentes em situação de rua. Sendo o grosso de sua maioria negras.

Dentre os graves males que são acometidos podemos citar como consequência o racismo, trabalho infantil, entre outras mazelas sociais que já se transformou em uma odiosa rotina que atenta contra os mais elementares direitos do ser humano.

Os principais fatores que contribuem e mantêm esses jovens em situação de rua são a mendicância e envolvimento com o tráfico. Estudos apuraram que desse imenso contingente de deserdados, espalhados pelas metrópoles do país, Cerca de 85% já sofreram algum tipo de violência, 64% já utilizou algum tipo de drogas, 41% declaram ainda usas e 62% passaram por instituições de acolhimento. O que em tempos de pandemia a situação deverá se agravar ainda mais.

De acordo com a pesquisa da Campanha Nacional Criança Não é de Rua, 62% das crianças e adolescentes frequentavam a escola, 45% trabalhavam, 48% faziam atividades físicas e 62% mantinham contato diário ou semanal com a família. Ao todo, 96% tinham pelo menos um documento, geralmente a certidão de nascimento.

Outro ponto que chamou a atenção dos pesquisadores é que mais da metade das crianças entrevistadas (54%) disse que tinha um relacionamento bom ou muito bom com os pais. Questionadas sobre as violências sofridas nas instituições de acolhimento, as respostas mais assinaladas foram: “te machucaram fisicamente” (67%) e “gritaram com você” (36%). Apenas 3% dos participantes alegaram nunca ter sofrido nenhum tipo de violência.

O que se constata é que os indicadores apontam que no acolhimento há um agravamento das situações de violações de direitos. Para o educador social Manoel Torquato, coordenador da Campanha Nacional Criança Não é de Rua, com sede em Fortaleza, no Ceará, esses espaços acabam oferecendo riscos, pois reduzem o acesso a direitos que deveriam ser potencializados”.

Para o coordenador a solução é a melhoria da capacitação dos funcionários que atuam no processo de acolhimento das crianças em situação de rua. “Indicamos que os atendimentos usem uma metodologia especializada, mas a grande maioria dos equipamentos não tem pessoal treinado e acabam considerando as crianças e os adolescentes em situação de rua indesejáveis nesses serviços”, pontua.

*Os dados exibidos nesse artigo foram retirados da matéria de autoria de Juca Guimarães, publicado no Alma Preta.

Sérgio Jones

Share on whatsapp
Share on twitter
Share on facebook
Share on google
Share on linkedin
Share on email

OUTRAS NOTÍCIAS