Mídia tenta inflar protestos

Share on whatsapp
Share on twitter
Share on facebook
Share on google
Share on linkedin
Share on email

Impressionante. Os professores de São Paulo põem 30, 40, 60 mil pessoas em São Paulo, e a mídia paulista não divulga nada.

Aí um monte de retardado sai às ruas, com faixas em inglês, pedindo intervenção militar, e a mesma mídia paulista fornece whatsapp pedindo que mandem fotos, e, na prática, faz a convocação oficial para as pessoas irem ao evento.

Na manhã domingo, as manifestações zumbis foram bem mais baixas do que no dia 15, mas a estratégia da mídia, que todo mundo já percebeu, é tentar inflá-las para estimular um grande protesto.

Os zumbis estão mais afetados do que nunca. Agora pedem à ONU que apoie um golpe militar no Brasil. Em inglês, claro.

No UOL conseguimos encontrar informações mais coerentes a manchete é a seguinte:

Protestos contra Dilma reúnem cerca de 20 mil em 7 Estados e no Distrito Federal.

Ao menos sete Estados e o Distrito Federal já têm manifestações contra o governo Dilma Rousseff (PT) e contra a corrupção na manhã deste domingo (12).

São registrados protestos no DF e nos Estados de Minas Gerais, Rio de Janeiro, São Paulo, Bahia, Pará e Maranhão e Amazonas.

Em Brasília, o protesto começou por volta das 9h30. Os manifestantes estavam com cartazes contra a corrupção na Petrobras e um outro grupo pedindo a intervenção das Forças Armadas.

Às 11h30, havia mais de 10 mil pessoas na Esplanada dos Ministérios, segundo a Polícia Militar. A segurança foi reforçada: de acordo com a PM do Distrito Federal, pelo menos 3.000 homens fazem a segurança da Esplanada dos Ministérios.

Em Belo Horizonte, os primeiros manifestantes começaram a chegar à Praça da Liberdade, na região centro-sul da capital, antes das 10h.

Há previsão de que os participantes sigam até a Praça da Estação, no centro da capital mineira. Alguns manifestantes entoam “fora, PT, e leva a Dilma junto com você”.

Muitos estavão com apitos, e um grupo que se manifestava pelo retorno do regime militar. Já outros pedem a dissolução do Congresso Nacional.

Em São Paulo, as manifestações começaram primeiro no interior, em cidades como Campinas e Ribeirão Preto.

Campinas reunia cerca de 5.000 manifestantes por volta das 11h30 da manhã, segundo a PM.

Em Ribeirão, manifestantes começam a se concentrar em frente ao Teatro Pedro 2º, e havia 2.000 pessoas às 11h, também segundo a PM.

 

Os atos na capital paulista foram marcados para o período da tarde, é verdade que teve uma participação considerável, mais também inferior ao dia 15 do mês passado.

No Rio de Janeiro, os manifestantes lotaram as galerias da estação de metrô do Cantagalo, em Copacabana. Não há estimativas oficiais de público presente.

Em São Luís, a organização do movimento “Brasil Livre” em São Luís informou que tinha aproximadamente 60 pessoas na concentração, mas, como não há PM no local, ainda não se sabe o número de pessoas.

Eles aguardavam a chegada de mais integrantes para iniciar a passeata. O protesto estava marcado para iniciar às 8h30 na Estação das Docas, de onde seguiu para a praça da República e terminou na praça do Operário.

Em Salvador, cerca de 1.200 pessoas, segundo o jornal “A Tarde”, se concentravam nas proximidades do Farol da Barra por volta das 11h.

Em Belém, o número de manifestantes era estimado em 300 pelos policiais.

No Amazonas, a PM informou que a manifestação na Praça do Congresso, no Centro de Manaus, tem número pequeno de pessoas neste domingo (12).

 

O movimento estava marcado para às 9h (10h horário de Brasília), mas segundo informações não passou de 20o pessoas devido à chuva que ocorre na capital.

Fonte: Miguel do Rosário/cljornal.

OUTRAS NOTÍCIAS