A política em Feira transita no campo das hipóteses/ Por Sérgio Jones

Share on whatsapp
WhatsApp
Share on twitter
Twitter
Share on facebook
Facebook
Share on google
Google+
Share on linkedin
LinkedIn
Share on email
Email
A dupla Tico e Teco

Embora as convenções partidárias ainda estejam por acontecer (31 de agosto a 16 de setembro), com a aproximação das eleições o que se percebe, na cidade, é que os postulantes ao cargo de prefeito, ou pelo menos parte deles, continuam patinando na maionese.

A estratégia traçada até o presente momento, tanto da parte de Carlos Geilson como do prefeito de direito e não de fato (Colbert Martins), têm resumido a ambos lardearem que contam com apoios importantes, no campo político.

No caso de Geilson, diz contar com apoio do deputado estadual Targino Machado; da parte de Colbert, do ex-prefeito José Ronaldo.

Importante observar que essa estratégia traçada por eles acontece devido ao fato dos mesmos não disporem de luz própria. Ambos vivem e trafegam nas sombras da política local, politicamente são duas figuras inexpressivas que vivem em busca da luz.

O mais hilário de toda essa leviandade política é que a mesma se resume em um desfecho que podemos denominar como um vir a ser, estamos a transitar em terreno pantanoso em que tudo pode acontecer. Geilson diz que pode e deve ganhar o apoio do deputado Targino Machado, o mais votado em Feira. O deputado citado não nega nem confirma tal apoio.

No caso específico de Colbert, este falou sobre o apoio do ex-prefeito José Ronaldo (DEM) à sua reeleição. “Para mim o silêncio do José Ronaldo é um grito muito forte de apoio a mim”. Desde quando um silêncio pode ser subentendido como um grito?

Em seguida o mandatário se utiliza do vocábulo, lealdade, para justificar a sua relação com o Imperador da Caatinga, e diz ter certeza de contar com a lealdade dele, para com a sua pessoa.

Pelo que podemos observar é que o conceito de lealdade para Colbert é bastante amplo. Foi leal da parte dele a decisão ao aderir a José Ronaldo, negando todo o seu passado de opositor. Foi leal o comportamento político adotado por ele para com os seus eleitores e até mesmo para com o seu grupo partidário?

A alternância de poder adotada pelo Colbert obedeceu e obedece tão somente aos seus mesquinhos interesses, em detrimento dos interesses da coletividade. O prefeito ao falar em lealdade é como falar de corda em casa de enforcado.

Sérgio Jones, jornalista (sergiojones@live.com)

OUTRAS NOTÍCIAS