Tempo - Tutiempo.net

Bolsonaro: na boca do mentiroso, o certo é duvidoso/ Por Sérgio Jones

Conta a lenda que havia um jovem pastor que tinha por hábito conduzir o seu rebanho de ovelhas para pastar em uma localidade montanhosa.

Com o passar do tempo ele começou a se sentir entediado e então pensou em uma forma de ter companhia. Voltou-se em direção da aldeia e começou a gritar lobo! lobo! Os camponeses correram em seu auxílio. Em seguida constataram que o alarme era falso. Mesmo assim alguns ficaram ao lado dele.
O pastor ficou tão contente que repetiu várias vezes a façanha. Passado algum tempo depois, um lobo saiu da floresta e atacou o rebanho. O pastorzinho pediu ajuda gritando ainda mais alto do que costumava fazer.

Enganados diversas vezes os camponeses acreditaram ser mais uma brincadeira e não foram ajudar. O lobo se fartou e encheu a barriga.

Ao retornar à aldeia o pastorzinho se queixou amargamente de sua perda. Um velho e sábio aldeão lhe respondeu: “Na boca do mentiroso, o certo é duvidoso”.

Esta fábula se aplica como uma luva o comportamento adotado pelo desairoso presidente Jair Bolsonaro, que tenta governar a nação brasileira calcado em sucessivas mentiras.

Faz de seu governo grande engodo, tendo como objetivo se manter em um cargo combalido, onde exerce uma administração criminosa. Que já ceifou milhares de vidas, além de conduzir milhões de pessoas para o flagelo da fome e do desemprego.

Mesmo diante do quadro social escabroso, ele tem se mostrado insensível e continua centralizando como prioridade em se manter no poder, preocupado com sua improvável reeleição.

Direcionando os seus orquestrados ataques ao sistema eletrônico de votação, sistema este em que ele foi eleito por inúmeras vezes. Que de forma leviana acusa de ser gerador de fraude. O que segundo expertise no tema, tal comportamento pode se tornar motivo de enquadramento em crime de responsabilidade.

O inopinado mandatário ao adotar essa postura vem infringindo de forma sucessiva o artigo da lei que regulamenta o impeachment, ao violar direito e garantia individual, conceito no qual o direito do cidadão ao voto pode ser incluído.

Outros itens da Lei do Impeachment que Bolsonaro vem violando diuturnamente são aqueles que atentam contra a dignidade, honra e o decoro do cargo. Situação que já motivou mais de uma centena de pedidos de impeachment encaminhados ao presidente da Câmara dos Deputados, Arthur Lira.

Sérgio Jones, jornalista (sergiojones@live.com)

Share on whatsapp
Share on twitter
Share on facebook
Share on google
Share on linkedin
Share on email

OUTRAS NOTÍCIAS