A confiança da indústria, medida pela FGV subiu 1 ponto em fevereiro

Share on whatsapp
Share on twitter
Share on facebook
Share on google
Share on linkedin
Share on email
Confiança da indústria da FGV supera nível neutro pela 1ª vez desde setembro /2013

A confiança da indústria, medida pela Fundação Getulio Vargas (FGV), subiu 1 ponto em fevereiro ante janeiro, alcançando 100,4 pontos. Dessa maneira, o indicador ultrapassou o nível neutro de 100 pontos, saindo do patamar de pessimismo pela primeira vez desde setembro de 2013 (101,7 pontos).

“O resultado de fevereiro sugere que a trajetória de crescimento gradual da confiança se mantém, com calibragem nas avaliações sobre a situação atual e melhora das perspectivas do setor para os meses seguintes”, avaliou a coordenadora da Sondagem da Indústria, Tabi Thuler Santos.

Outro destaque da pesquisa desse mês, segundo Tabi, é a alta disseminada da utilização da capacidade, que atingiu, conforme ela, um nível comparável ao de meados de 2015, “ainda distante, no entanto, da média histórica do indicador”.

O Nível de Utilização da Capacidade Instalada (Nuci) aumentou 0,9 ponto porcentual entre janeiro e fevereiro, para 75,6%, o maior desde junho de 2015 (75,8%). A alta foi disseminada por 13 dos 19 segmentos industriais. Mas, apesar do avanço, o Nuci ainda se encontra mais de 6 pontos porcentuais abaixo da média histórica dos dez anos anteriores à recessão de 2014 a 2016, de 82,3%.

A alta da confiança industrial em fevereiro ocorreu, contudo, em menos da metade dos segmentos industriais. O Índice de Expectativas (IE) subiu 3,4 pontos, para 101,4 pontos, o maior desde junho de 2013 (104,9 pontos). Já o Índice de Situação Atual (ISA) caiu 1,5 ponto, para 99,4 pontos, após sete altas consecutivas.

Segundo a FGV, na métrica de médias móveis trimestrais, os dois indicadores seguiram avançando: o IE subiu 1,1 ponto, para 99,9 pontos, e o ISA mostrou elevação de 0,8 ponto, para 99,6 pontos.

No IE, após cair 7,3 pontos em janeiro, o indicador de expectativas com a evolução do pessoal ocupado foi a principal influência para a alta em fevereiro. O segmento avançou 5,9 pontos, para 99,4 pontos. Houve elevação da proporção de empresas prevendo aumentar o quadro de pessoal, de 17,8% para 20,6%, e diminuição da proporção das que esperam redução, de 12,3% para 12,0%, o menor desde outubro de 2013 (10,9%).

Já a principal contribuição para a queda do ISA foi a piora na percepção sobre os negócios, que caiu 2,2 pontos, para 96,4 pontos. Apesar de a parcela de empresas que avaliam a situação como boa subir, de 18,3% para 18,6%, a fatia das que a consideram ruim cresceu em maior proporção, de 19,1% para 19,8%

A edição de fevereiro de 2018 coletou informações de 1.030 empresas entre os dias 1º e 26 deste mês. A próxima divulgação da Sondagem da Indústria ocorrerá em 27 de março de 2018.

Jornal do Brasil

OUTRAS NOTÍCIAS