Guedes quer tirar CEF e BNDES para aumentar os ganhos dos bancos de investimento

Share on whatsapp
Share on twitter
Share on facebook
Share on google
Share on linkedin
Share on email

Os movimentos de Paulo Guedes, de permitir a liberação de saldos do FGTS ou de reduzir as contribuições das empresas ao fundo tem um único objetivo: esvaziar mais uma fonte de financiamento público, com papel relevante para a construção civil e para o saneamento.

Não há lógica econômica nessa decisão, como não há lógica no esvaziamento dos fundings do BNDES (Banco Nacional de Desenvolvimento Econômico e Social) em um momento em que se aposta nos investimentos em saneamento e na construção civil como saida para a recessão econômica.

Uma política econômica responsável trataria de juntar os instrumentos públicos e os privados para alavancar o investimento. Ambos são complementares.

O financiamento público é essencial em setores de maior volatilidade, especialmente nos financiamentos de longo prazo, imprescindíveis para a infraestrutura.

Não apenas garantem os financiamentos como operam como um balizador dos custos do mercado. O mercado entra nas sobras do BNDES ou, então, oferece condições melhores que os bancos.

Ao afastar o BNDES e a própria Caixa Econômica Federal dos financiamentos, a principal intenção de Guedes é reduzir a competição na oferta de financiamento e, com isso, aumentar a margem de ganhos dos bancos e fundos privados.

A disputa final não é entre Estado e mercado, mas entre margem de lucro dos financiamentos privados e, principalmente, preços dos ativos privados das empresas da economia real.

Vamos a um pequeno exemplo financeiro.

O preço de um ativo corresponde ao valor presente do fluxo esperado de resultados futuros.

Suponha um investimento com os seguintes elementos:

Investimento de R$ 10 milhões.
Financiamento junto ao BNDES pelo prazo de 10 anos a uma taxa de juros de 6% ao ano.

Resultará em uma prestação anual de R$ 1,4 milhões por ano.
Ao

final do 2º ano o investimento rende um resultado de R$ 3 milhões anuais. O resultado anual corresponderá à diferença entre o resultado e o pagamento do financiamento.

Seu valor de mercado, supondo a Taxa Interna de Retorno de 6% ao ano, será de R$ 9,3 milhões.

Suponha, agora, que o BNDES saia fora da parada e ele consiga um financiamento junto a um banco de investimentos a uma taxa de 10% ao ano. Nesse caso, o pagamento anual saltará para R$ 1,6 milhão por ano, uma alta de 20%.

Se o banco de investimento tem um custo de oportunidade de 10% ao, emprestando para empresas, para adquirir ativos exigirá uma taxa de retorno semelhante.

Nesse caso, o valor da empresa cairá para R$ 5,7 milhões. Ou seja, meramente devido à diferença do custo do dinheiro, o valor de mercado da empresa cairá 38%.

Repare, portanto, que retirar o BNDES e a CEF do financiamento de empresas e, consequentemente, encarecendo o custo do dinheiro, há um duplo ganho para o capital financeiro: financiando as empresas a taxas maiores ou as adquirindo, a preços menores.

Mais que isso, o custo maior do financiamento irá de refletir na elevação das tarifas de saneamento, nos preços finais das casas, no encarecimento da infraestrutura.

A lógica de Paulo Guedes é a mesma de Bolsonaro: a destruição de todos os instrumentos que permitiriam ao país sair mais rápido da crise atual.

 Luis Nassif

OUTRAS NOTÍCIAS