Tempo - Tutiempo.net

Moro recebeu R$ 200 mil de bilionário corrupto em disputa contra a Vale

O corrupto

A possibilidade da ocorrência de conflito de interesse na atuação do ex-juiz, ex-ministro e pré-candidato a presidente, Sergio Moro (Podemos), em seu trabalho na consultoria norte-americana Alvarez & Marsal tem movimentado o mundo político e é alvo de investigação no Tribunal de Contas da União.

Essa, porém, não foi a primeira experiência do lavajatista no setor privado depois de ser demitido da pasta da Justiça pelo presidente Jair Bolsonaro.

Antes ele recebeu cerca de R$ 200 mil para assinar um parecer de 54 páginas em resposta a uma consulta do bilionário israelense Beny Steinmetz.

A informação sobre os valores recebidos por Moro pelo parecer é da Folha de S.Paulo.

Steinmetz está envolvido em um litigio com a mineradora sobre um contrato exploração de uma mina na Guiné quando fechou um negócio com uma de suas empresas em 2010.

No parecer, Moro sustenta a tese de que a Vale teria ocultado os riscos envolvidos no negócio.

Steinmetz tenta provar que a mineradora deu informações falsas ao tribunal arbitral em Londres em que a empresa brasileira conseguiu uma sentença favorável de US$ 2 bilhões contra o israelense.

A Vale comprou de Steinmetz 51% da BSG Resources (BSGR), que possui licenças de exploração de minério de ferro em uma transação de US$ 2,5 bilhões. A Vale pagou US$ 500 milhões antecipadamente ao empresário israelense.

Um ano após o negócio, o presidente eleito da Guiné, Alpha Condé, revisou todas as concessões de exploração de minérios de governos anteriores.

A investigação no país africano encontrou indícios de suborno na concessão das minas a Steinmetz, em 2008, quando o país era governado por Lansana Conté, um militar que deu um golpe de estado que durou 24 anos.

Com isso, a Vale buscou reparação na corte arbitral de Londres, que deu razão a mineradora brasileira.

No mês seguinte ao parecer, Moro foi contratado pela consultoria norte-americana Alvarez & Marsal, administradora judicial do processo de recuperação do Grupo Odebrecht – empresa alvo do então juiz Moro durante a Lava Jato. A empresa recebeu no mínimo 42,5 milhões de reais de companhias investigadas pela operação.

Em abril de 2021 – cinco meses após o parecer – a Vale informou que o Ministério Público Federal decidiu arquivar o caso. As investigações, porém, prosseguem no Rio de Janeiro, estado em que Beny protocolou notícia-crime contra a mineradora.

À Folha de S.Paulo, Moro preferiu silenciar sobre o caso.

A Vale, por sua vez, alegou que o magnata israelense “tem criado versões falaciosas e feito afirmações inverídicas contra a Vale em relação ao caso de Simandou, em uma clara tentativa de inverter o papel de vítima e tentar se furtar de suas responsabilidades pela prática de ilícitos”.

Beny Steinmetz, que ‘molhou a mão’ de Moro, já foi condenado por corrupção no Tribunal de Genebra.

RPP

A direita burra vai dizer que é mentira?  cljornal

Share on whatsapp
Share on twitter
Share on facebook
Share on google
Share on linkedin
Share on email

OUTRAS NOTÍCIAS