A hora do expurgo chegou/por Carlos Lima

Share on whatsapp
Share on twitter
Share on facebook
Share on google
Share on linkedin
Share on email
É imprescindível que se faça uma reflexão mais aprofundada sobre a administração pública do município de Feira de Santana que há 20 anos exercendo é exercida por um mesmo grupo político e que construiu uma casta de intocáveis oportunista e subservientes pela manipulação administrativa do município.
O primeiro basta veio com a renovação de mais de 60% do legislativo. Poderia ser maior, no entanto o mal está enraizado nas entranhas desses mefistofélicos.
É uma prova irrefutável de que o feirense está saturado com o lema desses senhores, quase feudais, que praticamente destruíram a vontade do povo e cassaram suas iniciativas.
O lema adotado de forma explicita é a construção de um argumento de inverdades e ilicitudes. É um tema, uma regra de proporcionar vantagens a si mesmo e parte do próprio grupo político.
É uma divisa ou norma de comportamento onde eles mesmos constroem as condições que favoreça a permanência no poder e as condições de fácil e rápido enriquecimento. Fazendo uso de quaisquer meios, desde que os fins sejam alcançados.
A prova mais evidente veio com a escolha do candidato a vice-prefeito, Fernando de Fabinho, que andava desaparecido do cenário político. Colbert Filho resgatou o parceiro.
Um histórico nada recomendável.
“O Supremo Tribunal Federal (STF) decidiu nesta quinta-feira (25/3) abrir ação penal contra o deputado federal Fernando de Fabinho (DEM-BA) por suposto desvio de verba repassada à prefeitura de Santa Bárbara, pelo governo federal, para obras de saneamento básico. Com a decisão, o deputado passou à condição de réu.”
O processo: “Em sessão no Supremo Tribunal Federal, o procurador-geral da República, Roberto Gurgel, defendeu nesta quinta-feira, 25 de março, o recebimento da denúncia (Inq 2684) contra o deputado federal Luiz Fernando de Fabinho Araújo Lima (DEM-BA) por crime de responsabilidade”.
“O procurador destacou ainda que as notas fiscais apresentadas pela empresa eram muito antigas, não tinham validade fiscal e que as obras só foram concluídas dez anos depois, em administração direta pela prefeitura. ”
Conclusão do procurador:
“O procurador-geral rejeitou a objeção da defesa quanto à quebra de sigilo bancário solicitado na denúncia, afirmando que o desvio de recursos públicos já está evidenciado em favor de terceiros e no curso da instrução o MPF pretende verificar e eventualmente provar o desvio de recursos em benefício do próprio deputado. ”
Secretaria de Comunicação Social
Procuradoria Geral da República
(61) 3105-6404/6408
Secretaria de Comunicação Social
Procuradoria-Geral da República
(61) 3105-6406 / 6415
pgr-imprensa@mpf.mp.br
facebook.com/MPFederal
Em mais um escândalo, no ano de 2009, Fernando de Fabinho esteve envolvido em um mercado paralelo de venda de passagens aéreas da Câmara Federal com descontos que chegavam até 25%.
Outro escândalo envolvendo o nome do ex-prefeito de Santa Bárbara foi sobre em determinada época possui diversos CPFs.
Outro fato intrigante é sobre para onde Fernando de Fabinho destinou todas as suas emendas parlamentares nos últimos 4 anos de seu mandato, de 2006 a 2010 foi mais de 60 milhões de reais. Será que parte deste dinheiro pode ter sido destinada inclusive a outro estado?
Ap 0015034-97.2007.4.01.3300 (2007.33.00.015043-3) / BA (AI 453633020094010000 /BA) Fonte Revista Consultor Jurídico (publicada em 26 de março de 2010).Diário Oficial Tribunal Regional Federal da 1ª Região Última publicação no TRF-1
Já o prefeito Colbert Filho, quando Secretário de Turismo, no Ministério do mesmo nome, no governo de Michael Temer, foi preso e encarcerado pela Operação Voucher, os detalhes foram divulgados nacionalmente e todos são conhecedores.
Sua administração em Feira de Santana é recheada de ações suspeitas. As desconfianças de ilicitudes correm de boca em boca na cidade, inclusive com acusações de que tenha impedido a Câmara Municipal de instalar CPI visando apurar o desvio de 100 milhões de reais da saúde no município, e outras práticas.
São fatos públicos, reais, que forjaram a saturação da população nesse grupo que feudalizaram o poder em 20 anos de domínio, e que tentam entorpecer o povo para nele se perpetuar.
Essa tutela se desfez no primeiro turno.
Vamos voltar a exercer um procedimento positivista, inteligentes, e nos doarmos no compartilhamento de ideias que gerem benefícios coletivos.
É chegada a hora de expurgar os “fichas sujas”.
Carlos Lima

OUTRAS NOTÍCIAS