Vereador Isaias de Diogo “cospe no prato que come” e constrói seus próprios direitos/por Carlos Lima

Share on whatsapp
Share on twitter
Share on facebook
Share on google
Share on linkedin
Share on email
Vereador em férias se refresca com amigos em hidromassagem coletiva
Se existe um político que segue à risca o que diz o adágio popular “cospe no prato que come”, ele pode ser identificado no legislativo feirense, segundo comentários amplamente difundidos no meio popular, é o vereador Isaias de Diogo.
Com a proximidade das eleições municipais e sonhando com a reeleição, o projeto inacabado de vereador, vem atacando de forma ferrenha o prefeito do município, do seu próprio partido, que por uma casualidade assumiu o mandato.
Como se não bastasse, definiu sua atuação medíocre em atacar secretários do município, alegando que os mesmos não atendem seus pedidos de realização de obras, como se tivesse autoridade política para fazê-lo.
Recentemente, mais uma vez, utilizou a tribuna da Casa para desferir críticas maldosas ao superintendente José Pinheiro.
“Quantas vezes você já viu esse senhor atendendo bem as pessoas? Prepotente, ignorante. Se você pede algo a Pinheiro ele diz: isso aqui eu não vou fazer não”! Disse o vereador Isaias de Diogo.
Prepotente e ignorante é esse nefasto legislador. A todo custo quer passar uma imagem de defensor do povo mesmo, mesmo passando por cima da autoridade do prefeito.
O ex-secretário e atual superintendente, José Pinheiro, tem o dever de cumprir unicamente com as determinações do prefeito.
O vereador tem os canais legais no Legislativo para realizar as reivindicações da sociedade, ou em reuniões com o prefeito, sempre por escrito.
Esse edil é prepotente, ignorante dos seus deveres e construiu por conta própria os direitos que presume possuir.
Por falar em deveres, até agora ele não deu nenhuma explicação por usar de forma ilegal o cartão alimentação de um assessor.
Apropriando-se de algo que não lhe pertencia. Vereador, você tem alguma coisa a dizer. O assessor o convida a irem juntos ao Ministério Público.
Carlos Lima

OUTRAS NOTÍCIAS