Tempo - Tutiempo.net

Rússia abre corredores humanitários na Ucrânia, e civis são retirados de cinco cidades

O 13º dia da ofensiva russa na Ucrânia, nesta terça-feira (8), marca a abertura de corredores humanitários e cessar-fogo para a retirada de civis de cinco cidades que foram alvo de bombardeios nos últimos dias.

Segundo correspondentes que estão no leste europeu, as pessoas estão sendo retiradas da capital Kiev e dos municípios de Cherhihiv, Kharkiv, Mariupol e Sumi. A abertura ocorre após dias seguidos de fracasso no estabelecimento da medida, em função de divergências entre os lados russo e ucraniano.

“Já começamos a retirada de civis de Sumi para Poltava (no centro da Ucrânia), incluindo estudantes estrangeiros”, disse o Ministério das Relações Exteriores da Ucrânia, nesta terça, em sua conta no Twitter.

Ucrânia pretende retirar 200 mil pessoas de Mariupol e 15 mil de Volnovakha ambas na região separatista.

O lado ucraniano, inclusive, anunciou ter solicitado à Rússia que expandisse o número de corredores: “Pedimos à Rússia que concorde com outros corredores humanitários na Ucrânia”.

Corredores humanitários: alvo de embate

O estabelecimento dos corredores humanitários pautou os últimos dias do conflito. Na segunda (7), a Rússia disse que militares interromperam fogo e abriram corredores humanitários em várias cidades ucranianas. No entanto, o destino dos canais de retiradas de civis levava apenas para território russo e para Belarus.

O lado ucraniano considerou o movimento como “um golpe imoral” por direcionar os civis ucranianos ao país adversário e a seu aliado. De acordo com a agência de notícias russa RIA, o corredor de Kiev levaria à Belarus, enquanto os civis de Kharkiv teriam permissão para ir apenas para a Rússia.

“Essa é uma proposta completamente imoral. O sofrimento das pessoas está sendo usado para criar uma imagem televisiva”, disse um porta-voz do governo da Ucrânia na segunda (7), em nota. “São cidadãos ucranianos, eles deveriam ter o direito de ir para território ucraniano.”

Mais de 1,7 milhão de refugiados já deixou a Ucrânia desde o início do conflito, informa o Alto-comissariado das Nações Unidas para os Refugiados.

Exigências russas

O porta-voz do Kremlin, Dmitry Peskov, declarou nesta segunda-feira (7) que a Rússia pode encerrar as ações militares na Ucrânia “em qualquer momento”, caso Kiev cumpra com as condições de Moscou. A declaração foi citada pela agência de notícias estatal russa RIA Novosti.

De acordo com o porta-voz, as condições para que Moscou encerre o que chama oficialmente de “operação especial militar” são: o reconhecimento da independência das autoproclamadas Repúblicas Populares de Donetsk e Lugansk; reconhecimento da soberania russa sobre a Crimeia e a consolidação da neutralidade da Ucrânia e sua não adesão a blocos militares.

“Na verdade, estamos completando a desmilitarização da Ucrânia. Vamos completá-la… Eles [ucranianos] deveriam parar de lutar”, disse o porta-voz presidencial russo.

A Rússia e Ucrânia compartilham 1576 km de fronteira no leste europeu .

Negociações entre Rússia e Ucrânia

As delegações da Rússia e da Ucrânia se reuniram nesta segunda-feira (7) para participar da terceira rodada de negociações sobre o conflito no território ucraniano.

A discussão ocorreu a portas fechadas e durou mais de três horas.  De acordo com o chefe da delegação russa, Vladimir Medinsky, as expectativas do lado russo para as negociações não se concretizaram.

Ele enfatizou que a Rússia levantou sem rodeios a questão da abertura de corredores humanitários. Medinsky acrescentou que os representantes ucranianos levaram todos os documentos trazidos pelo lado russo para revisão.

Já o assessor do chefe do Gabinete do presidente da Ucrânia e participante das negociações, Mikhail Podolyak, afirmou que “há algum progresso positivo na melhoria da logística dos corredores humanitários”. “As consultas sobre o bloqueio político básico do acordo, cessar-fogo e garantias de segurança continuarão”, completou.

Podolyak destacou, todavia, que as conversas até agora não trouxeram resultados “que melhorem significativamente a situação”.

Anteriormente, o membro da delegação ucraniana nas conversações com a Rússia, David Arakhamia, havia declarado que “as únicas questões sobre as quais é quase impossível concordar” com o lado russo são sobre “o reconhecimento da Crimeia” e a independência das chamadas Repúblicas Populares de Donetsk e Lugansk.

Ao comentar sobre a demanda russa relacionada ao status militar de neutralidade da Ucrânia, Arakhamia disse que a Otan não está pronta para discutir a entrada de seu país em suas fileiras nos próximos 5-10 anos, e a própria Ucrânia “não lutará por uma oferta de filiação”.

Na quinta-feira (10), está prevista uma reunião entre os ministros das Relações Exteriores da Rússia e da Ucrânia na Turquia.

RBF

Enetenda o conflito por cljornal

 O conflito tem como motivador principal o mercado de energia na Europa e os limites da expansão da Organização do Tratado do Atlântico Norte (Otan), uma aliança militar composta por membros alinhados aos Estados Unidos, em pretende filiar a Ucrânia, chegando à fronteira russa.

Outro elemento central é o fracasso dos Acordos de Minsk, assinados em 2014 e 2015 como uma tentativa de construir um cessar-fogo para a guerra civil na Ucrânia. A ferramenta diplomática previa condições de autonomia para áreas separatistas de Donetsk e Lugansk e a retirada de armas da região em que tropas ucranianas enfrentavam os rebeldes.

O governo de Kiev se recusava a cumprir a parte política prevista pelos acordos, já que isso poderia causar uma fratura em sua soberania, diz o presidente.

A Rússia invadiu a Ucrânia em 24 de fevereiro sob a justificativa de “desmilitarizar e desnazificar” o país vizinho e manter a segurança em suas fronteiras.

Desde então, União Europeia e Estados Unidos anunciaram sanções como resposta e também fornecem armas aos ucranianos.

Na realidade o avanço da OTAN no leste Europeu twm a intenção de encurralar a Rúsia, instalando armas nucleares  na Ucrânia. A Rússia jAMis permitirá que isso possa acontecer.

Putin vinha dando prioridade as conversações, lógico, também se preparando para o pior. A Ucrânia não desistia de ser filiar à OTAN, continuava com ações militares contra os separatistas e a segurança russa poderia ser fragilizada.

Não havendo diálogo, a OTAN alimentando a entrada da Ucrânia , os EUA que comanda a Organização do Tratado do Atlântico Norte (Otan),  deixava transparecer que a Organização defenderia qualquer ação militar da Rússia.

O Resultado foi dseixar a Ucrânia sozinha para enfrentar militarmente a Rúsia e passou a decretar sanções contra ELA, der nada vai adiantar, simplesmente está forçando uma priovável guerra mundial com usos der arma nuclear.

Os países da Otan e os Estados Unidos em uma guerra mundial, não possuem poder bélico e atômico para enfrentar o Rússia, China e ioutros países detentores de armas atômicas Essa guerra pode dizimar mais da metade da humanidade.

 A OTAN hoje é uma organização criminosa. Quer se esbandir sem pensar nas consequências.

cljornal

Share on whatsapp
Share on twitter
Share on facebook
Share on google
Share on linkedin
Share on email

OUTRAS NOTÍCIAS