Tempo - Tutiempo.net

Demissão coletiva de comandantes do Exército, Aeronáutica e Marinha mostra crise de Bolsonaro nas Forças Armadas

Comandantes das Forças Armadas pedem demissão

O Ministério da Defesa anunciou no início da tarde desta terça-feira (30) a saída dos comandantes das três Forças Armadas: Edson Pujol (Exército), Ilques Barbosa (Marinha) e Antônio Carlos Moretti Bermudez (Aeronáutica).

O feito, no governo Jair Bolsonaro, não encontra precedentes na História do Brasil.

Após longa reunião, que terminou no final da noite desta segunda-feira (29), com o demissionário ministro da Defesa, general Fernando Azevedo e Silva, Edson Leal Pujol (Exército), Ilques Barbosa (Marinha) e Antônio Carlos Bermudez (Aeronáutica) resolveram agendar para a manhã desta terça-feira (30) um encontro com o novo titular da pasta, general Walter Braga Netto, para informar da decisão.

A cúpula militar acompanhou a demissão de Azevedo e Silva, que caiu após se recusar a colocar as Forças Armadas a serviço de um Estado de Sítio que Bolsonaro pretende instaurar para impedir, entre outros, que estados e municípios decretem lockdown.

O ápice da crise entre Bolsonaro e Azevedo ocorreu no dia 19 de março, quando o presidente falou a apoiadores que “meu Exército não vai pra rua para cumprir decreto de governador” e ameaçou com “ação dura”, falando em “estado de sítio”, caso o Supremo Tribunal Federal (STF) rejeitasse a ação que ele moveu contra decretos de restrição na Bahia, DF e Rio Grande do Sul.

Lula

Jornalistas com acesso direto a fontes do Palácio do Planalto afirmam que decisão do ministro Edson Fachin, do Supremo Tribunal Federal (STF), que anulou as condenações e devolveu os direitos políticos ao ex-presidente Lula, foi o principal motivo do rompimento definitivo de Bolsonaro com o comandante do Exército, que articulou a saída de seus pares na Marinha e na Aeronaútica.

Via general Fernando Azevedo e Silva, então ministro da Defesa, Bolsonaro teria cobrado de Pujol uma manifestação à lá Eduardo Villas Bôas, mas Pujol se recusou a entrar em um embate público sobre uma decisão da corte.

Em 2018, o então comandante do Exército, Eduardo Villas Bôas foi ao tuite ameaçar o STF um dia antes do julgamento de um habeas corpus que poderia devolver a liberdade ao ex-presidente Lula.

Milícia

Ao oferecer o cargo para Braga Netto, o comando militar quer deixar um claro recado a Bolsonaro: de que as Forças Armadas não se aceitarão ser usadas como uma milícia em uma possível tentativa de golpe para manter o ex-capitão do Exército.

Braga Netto conhece como poucos o clã Bolsonaro, especialmente por ter liderado a intervenção federal no Rio de Janeiro entre fevereiro de 2018 e janeiro de 2019 justamente por causa da influência de milicianos na estrutura da segurança pública no estado.

Em 18 de fevereiro de 2020, Braga Netto assumiu o cargo de ministro-chefe da Casa Civil de Bolsonaro e no rearranjo desta segunda-feira (30) foi alçado ao posto ocupado por Fernando Azevedo e Silva sob a promessa de cumprir ordens.

Três nomes

Caso os três comandantes das Forças Armadas deixem os cargos – em um feito inédito na História do Brasil – Braga Netto terá de apresentar três nomes para cada posto para escolha de Bolsonaro.

Por tradição, os mais antigos de cada uma das forças, que tenham mais tempo de caserna, é o escolhido.

No Exército, o primeiro nome é do general de quatro estrelas da ativa é José Luiz Freitas. No entanto, o preferido de Bolsonaro é o eneral Marco Antônio Freire Gomes, de 63 anos, atual Comandante Militar do Nordeste e ex-secretário-executivo do Gabinete de Segurança Institucional no governo de Michel Temer.

Segundo informações de Malu Gaspar, no jornal O Globo, para a troca no comando da Marinha estaria certo o nome do Almirante Almir Garnier, atual Secretário-Geral do Ministério da Defesa. Na Aeronáutica ainda não há especulação de nomes.

Marcelo Hailer

Share on whatsapp
Share on twitter
Share on facebook
Share on google
Share on linkedin
Share on email

OUTRAS NOTÍCIAS