Polícia afirma que jogo do bicho em Brasília foi ‘exterminado’

 

Sete pessoas foram presas e foram apreendidos mais de R$ 2 milhões de reais em espécie além de joias e veículos durante a desarticulação de um esquema de exploração do jogo do bicho em Brasília. A operação denominada Armadilha foi desencadeada pela Polícia Civil do Distrito Federal (DF) nesta quinta-feira (26). O montante é o maior já apreendido no DF.

Com a operação, o delegado-chefe adjunto da Delegacia de Repressão ao Crime Organizado (Deco), Fernando Cocito, acredita que o jogo do bicho não funcionará mais na capital do país. “Exterminamos o jogo do bicho na data de hoje. Estaremos atentos para qualquer tentativa de ressurgimento do jogo”, disse o delegado, chefe da operação.

A Operação Armadilha é resultado de seis meses de investigações e conseguiu desbaratar duas quadrilhas que atuavam há mais de 15 anos como jogo do bicho e eram chefiadas por Hélio Cesar Alfinito, conhecido como Helinho, e João Carlos dos Santos. Elas dividiram o Distrito Federal em duas grandes áreas de exploração da jogatina. Também foram presos hoje Leonardo Fernando Lins, genro de Helinho, Jerônimo Natividade, João Rufino, Luiz Francisco Magalhães de Almeida e o policial militar aposentado Wilians Fernandes de Morais.

Os responsáveis pelas quadrilhas serão enquadrados pela nova Lei 12.850, aprovada este ano, a qual modificou o Código Penal e tornou mais severas as punições para essa prática criminosa, com pena de reclusão de 3 a 8 anos, que pode ser elevada.

 

Segundo Cocito, o faturamento mensal da máfia chegava a R$ 3 milhões por mês e o aumento na arrecadação era comemorado em restaurantes e casas de luxo da capital do país. Para legalizar o dinheiro, as quadrilhas usavam laranjas e empresas de fachada.

Fonte: Redação / Agência Brasil

Share on whatsapp
Share on twitter
Share on facebook
Share on google
Share on linkedin
Share on email

OUTRAS NOTÍCIAS