Tempo - Tutiempo.net

Mais um corpo é encontrado na zona rural de Conceição do Coité

Corpo em decomposição encontra na Lagoa da Vaca

No mês de setembro foram registrados na Delegacia de Conceição do Coité o desaparecimento de dois jovens: Isaac Moreira de Oliveira, 17 anos, morador do Bairro Nova Esperança e Leonardo do Nascimento Almeida, 19, morador do Bairro Alto São João.

Dois corpos foram encontrados em avançado estado de decomposição, segundo identificação preliminar dos familiares, os exames de DNA serão realizados para a comprovação da identidade dos mesmos.

O primeiro corpo a ser encontrado, provavelmente seja o de Isaac, localizado em uma fazenda às margens da BA 411, sentido Coité distrito de Salgadália, fato ocorrido na manhã de sábado, 1º de outubro, reconhecido pela própria mãe, que angustiada, procurou a Justiça para conseguir retirar o corpo do DPT de Feira de Santana, para realizar o sepultamento que aconteceu na noite da última quarta-feira, 12/10., após ordem judicial.

Na manhã deste sábado, 15, exatamente duas semanas depois, foi encontrado outro corpo na Fazenda Lagoa da Vaca, região do Povoado de Goiabeira.

Segundo informações, um agricultor passava pela fazenda e deparou com o corpo em completo estado de decomposição.

Peritos de Serrinha, juntamente com equipe do rabecão, estiveram no local para realizar o levantamento cadavérico, e um perito disse que leva a crer que foi execução, pois o corpo estava com três perfurações na cabeça e um na altura do peito esquerdo, possivelmente por disparos de arma de fogo.

Por volta das 12h50 o corpo foi levado para o Departamento de Policia Técnica – DPT de Feira de Santana, onde será feito os procedimentos de praxe para confirmar ou não a versão de Orlando Almeida, que afirmou ser o corpo do seu filho.

Ao tomar conhecimento, o pai de Leonardo que estava a sua procura há quase três semanas, compareceu ao local e disse não ter dúvida que aquele corpo é do seu filho.

Lando Pintor como é conhecido disse que no antebraço do filho tem uma tatuagem com o nome da mãe dele, reconheceu também pela bermuda e o par de sandálias que estava próximo ao corpo.

Questionado pelos policiais se Léo tinha envolvimento com droga, Lando não escondeu: “Usava, não vou negar, mas não era um menino ruim, o problema era as pessoas com quem ele andava, o tempo todo eu pedia para ele deixar de se envolver com a droga.

Me ajudava, já tinha aprendido a trabalhar, mas infelizmente chegou a esse ponto”.

Com informações de Calila, edição cljornal

Share on whatsapp
Share on twitter
Share on facebook
Share on google
Share on linkedin
Share on email

OUTRAS NOTÍCIAS