Câmara estuda volta de doação de empresas para candidatos, fonte dos maiores escândalos políticos do país

Arthur Lira, promove a volta do financiamento eleitoral por empresas

Quase seis anos depois de o Supremo Tribunal Federal (STF) proibir  em 2015 o financiamento empresarial de campanhas políticas, a Câmara avalia uma forma de tornar viável a destinação de recursos do setor privado para candidatos ou partidos.

Uma proposta discutida nos bastidores por deputados prevê que sejam estabelecidos tetos de R$ 500 mil a R$ 1 milhão por empresa, independentemente do porte da companhia. A informação é do jornal Estado de S.Paulo.

 A retomada do financiamento empresarial deverá ser levada para o centro do debate nesse pacote. Até agora, no entanto, não há intenção de reduzir o valor bilionário do Fundo Eleitoral.

O valor poderia ser doado para um único candidato ou dividido entre outros concorrentes, de deputado federal a presidente da República.

A medida, porém, não é encarada como um substituto do Fundo Eleitoral, que no ano passado foi de R$ 2 bilhões.

O modelo do fundo como é hoje, abastecido com dinheiro público, continuaria existindo. (Brasil)

A festa com o dinheiro do povo vai ser de arromba. (cljornal)

Share on whatsapp
Share on twitter
Share on facebook
Share on google
Share on linkedin
Share on email

OUTRAS NOTÍCIAS