Menstruação sinaliza quando algo vai mal no seu organismo

Share on whatsapp
Share on twitter
Share on facebook
Share on google
Share on linkedin
Share on email

Sua menstruação marca presença sempre no mesmo dia de cada mês? Ou é do tipo irregular, que passa meses sem dar sinal e reaparece como se nada tivesse acontecido? Reparar no seu ciclo menstrual é importante, mas nem sempre é preciso se preocupar. De acordo com o ginecologista da Unifesp, Cláudio Bonduki, cada mulher tem um padrão menstrual, que inclui: variação de intervalo entre um sangramento e outro, intensidade e duração do fluxo.
O alarme só apita quando algum fator destoa do padrão que acompanha a mulher desde as primeiras menstruações. Quando uma destas características sai do normal pode ser sinal de alguma alteração hormonal , orgânica ou, até mesmo, funcional , diz Cláudio.
O especialista afirma ainda que, quando as mudanças são notadas em apenas um ciclo, isso pouco quer dizer. É natural haver mudanças em um ou dois ciclos, é natural , garante.

 

Fluxo muito intenso ou com maior duração: quando esta alteração entra em cena, pode ser indício da presença de um mioma. O ginecologista esclarece que mioma trata-se de um tumor benigno, do tecido que forma a parede do útero. O problema chega a atingir de 30 a 40% das mulheres , diz Cláudio.

 

Cólicas fortes demais: a intensidade e duração das cólicas também variam entre as mulheres, conforme Bonduki. O especialista alerta que, quando o incômodo aumenta muito ou os analgésicos comumente usados nessa fase perdem sua eficácia, também podem indicar um mioma.

 

Corrimento excessivo: segundo o especialista, é natural as mulheres apresentarem uma secreção fisiológica. Também é normal o aumento deste muco depois da ovulação, fase que antecede a menstruação. O alarde surge quando mudanças são notadas na quantidade e odor do muco. Além destas alterações, a coceira pode ser outro indício de algum processo infeccioso , ressalta Cláudio.

 

Ciclo irregular: as datas irregulares da menstruação são as que somam mais possíveis causas. Entre os problemas, Cláudio lista distúrbios hormonais, orgânicos (quando o problema atinge órgãos como útero ou ovário), ou ainda, funcionais. Estes últimos, de acordo com o ginecologista, são caracterizados por mudanças na rotina, alterações de clima ou ainda por fatores emocionais.

 

Medidas que estão ao seu alcance

Ao falar de fatores externos que influenciam no ciclo menstrual, o especialista da Unifesp ressalta que a alimentação está relacionada com os sintomas da TPM e com as cólicas, não especificamente com o fluxo. Ele afirma que alimentos ricos em carboidratos e gorduras, e pobres em fibras, intensificam os incômodos. O conselho, portanto, é seguir uma alimentação regrada, especialmente no período pré-menstrual.

Segundo Cláudio Bonduki, a intensidade do fluxo pode ser diminuída com o uso de contraceptivos. O efeito hormonal da pílula diminui o fluxo , explica. Medicamentos antiinflamatórios também são capazes de deixar o fluxo menos intenso, devido a um tipo de ação no organismo. Nos dois casos, vale lembrar, é preciso uma orientação médica, após a análise do caso.

Fonte: Minha Vida

OUTRAS NOTÍCIAS