Tempo - Tutiempo.net

Ex-diretor da Saúde solto sob fiança, crise com militares e o dia seguinte da CPI da Covid

Dias deixa a sala da CPI e é levado para a delegacia do Senado, onde ficou por cinco horas preso e pagou fiança de R$ 1.100 para ser solto

A CPI da Covid teve na quarta-feira (7) o dia de maior tensão desde que foi instalada, há dois meses.

Foi a primeira vez que um depoente – o ex-diretor de Logística do Ministério da Saúde Roberto Dias –, teve pedido de prisão decretado por mentir em seu depoimento.

Dias foi solto ainda na noite de ontem, depois de passar cinco horas na Delegacia do Senado e pagar fiança de R$ 1.100.

Mas em meio ao pedido de prisão, o senador Omar Aziz, presidente da CPI, associou o ex-diretor a uma ala de militares (ele é ex-sargento da Aeronáutica) que estaria envolvida em “falcatruas”.

Aziz disse que “os bons” das Forças Armadas devem estar muito envergonhados “com algumas pessoas” que hoje estão na mídia.

Segundo ele, porque fazia muito tempo “que o Brasil não via membros do lado podre das Forças Armadas envolvidos com falcatrua dentro do governo”.

O presidente da CPI chegou observar que nem no tempo da ditadura se acusavam os militares de corrupção – “porque Figueiredo morreu pobre, porque Geisel morreu pobre”.

E deu nomes aos bois ao falar da banda podre: “Coronel Guerra, Coronel Elcio, General Pazuello e haja envolvimento de militares…”, declarou.

Nesse momento, Omar Aziz se referiu ao coronel aposentado Glaucio Octaviano Guerra, que teria trocado mensagens com o policial militar de MG Luiz Paulo Dominguetti; ao coronel Élcio Franco, ex-secretário-executivo do Ministério da Saúde, e ao ex-ministro da Saúde e general da ativa Eduardo Pazuello.

Reação de militares

Foi então que os militares que ocupam altos postos no governo se incomodaram e reagiram, em nota, afirmando que Aziz “desrespeitou” os militares e “generalizou esquemas de corrupção”.

Isso apesar de Aziz ter sido categórico em limitar as críticas a “setores”.

Mesmo Assim, a nota do Alto Comando e do Ministério da Defesa afirma que a “narrativa, afastada dos fatos, atinge as Forças Armadas de forma vil e leviana”.

E ainda conclui de forma ameaçadora: “As Forças Armadas não aceitarão qualquer ataque leviano às instituições que defendem a democracia e a liberdade do povo brasileiro”.

O documento é assinado pelos comandantes Almir Garnier Santos (Marinha), Paulo Sérgio de Oliveira (Exército), Carlos de Almeida Baptista Júnior (Aeronáutica) e pelo ministro Walter Braga Netto.

Omar Aziz acusou o núcleo militar do governo de estar tentando pressionar o Parlamento, e chegou a cobrar publicamente o presidente do Senado, Rodrigo Pacheco (DEM-MG).

Isso porque Pacheco falou em respeito às Forças Armadas e pediu aos senadores “pacificação e reflexão”.

Mas o tom da resposta foi criticado pelo senador Aziz, pois ele observou ter se referido apenas aos militares acusados de irregularidades e que a resposta dos comandantes foi “muito desproporcional” e teve caráter de “intimidação”.

Apesar disso, o presidente do Senado, Rodrigo Pacheco, afirmou ter confiança nas decisões da CPI da Covid e não declarou a nulidade da prisão de Roberto Dias. O pedido havia sido feito pela ala bolsonarista da CPI.

O dia seguinte da CPI

A CPI da Covid vai ouvir nesta quinta-feira (8) a ex-coordenadora do Programa Nacional de Imunizações do Ministério da Saúde Francieli Fantinato.

O autor do pedido, senador Otto Alencar (PSD-BA), afirma que a servidora recomendou aos estados vacinação de gestantes que tinham recebido a primeira dose da AstraZeneca com qualquer vacina que estivesse disponível – sem comprovação de eficiência.

O ato já permeou um dos momentos tensos entre a CPI e uma autoridade do governo, o atual ministro Marcelo Queiroga, quando de seu depoimento.

Isso porque Otto, que é médico, observou que o procedimento é de risco, já provocou mortes, e disse que as pessoas “não podem ser usadas como cobaias“.

Além disso, segundo o senador, a Pfizer traz em sua bula que não deve ser aplicada em gestantes.

Francieli Fantinato deixou o cargo em 30 de junho, conforme o Diário Oficial da União. Segundo o ministro, ela pediu para sair.

Mas já é um dos nomes que já teve quebrados os sigilos telefônico e telemático a pedido da CPI da Covid.

A a ex-coordenadora Francieli Fantinato também foi alvo de quebra de sigilos telefônico e telemático por parte da comissão.

A iniciativa partiu do senador Alessandro Vieira (Cidadania-SE). O PNI é ligado ao Departamento de Imunização e doenças transmissíveis da Secretaria de Vigilância em Saúde e é responsável por definir os calendários de vacinação considerando a situação epidemiológica, com orientações específicas para crianças, adolescentes, adultos, gestantes, idosos e povos indígenas.

Em seu requerimento, Alessandro alegou que o ritmo de vacinação no Brasil segue lento.

Assim, tanto a oitiva de Francieli quanto a quebra do sigilo têm objetivo de identificar agentes responsáveis pelas falhas do processo.

 Marcos Oliveira/Agência Senado

Share on whatsapp
Share on twitter
Share on facebook
Share on google
Share on linkedin
Share on email

OUTRAS NOTÍCIAS